terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dicas para as mães que também são pais



Não sinta pena de seu filho pela ausência do pai: "A mãe vai ter de ensinar ao filho que, seja por abandono, morte ou outro motivo, seu filho vai ter que aprender a lidar com a situação. Ela nunca deve tratar o filho como coitadinho", avalia Dra. Olga.

Crie seu filho para o mundo: É preciso entender que, apesar de ter arcado com todas as responsabilidades sozinhas, quando crescidos, os filhos tomam seus rumos. "Elas se apegam e depois se sentem abandonadas porque toda a sua vida girou em torno de exercer o papel de mãe. É a síndrome do ninho vazio", comenta Dra. Olga.

Seu filho mais velho não é o homem da casa: Eles têm que ser criados para ter independência, e o filho mais velho nunca deve ser tratado como o pai dos menores, caso a mulher tenha mais crianças em casa. "Tente dividir responsabilidades, já que precisa trabalhar, delegue tarefas", sugere Dra. Olga.

Não se anule da vida: A mulher não deve se colocar em último plano, precisa se deixar viver. "Normalmente a vez delas não chega nunca. É preciso cuidar de si, tem que ter tempo de ir ao cabeleireiro, ler um livro, sair, conhecer novas pessoas, se relacionar e até assistir novela. É encarar essas atividades com prazer, como um lazer, e nunca como uma obrigação", opina Dra. Olga.

"Optei por não ter mais ninguém, sou sozinha, mas não tenho solidão. Assumi essa condição numa boa e estou de bem com minha vida", relata a educadora Elenice, mãe de Fernanda e Paula. "Meu filho não tem ciúmes de mim, saio numa boa, ele conhece todos os meus amigos. Aliás, vive dizendo que quer ter um irmãozinho. Mas isso depende de eu arrumar uma pessoa bacana", diz Linara.

Dê o melhor de si: Dra. Sueli lembra que as mães realmente estão sobrecarregadas, principalmente por terem conquistado cada vez mais funções de grande responsabilidade no mercado de trabalho, mas que, apesar do cansaço, precisam se superar. "Às vezes vai faltar paciência, então é preciso se desdobrar. A mãe tem que fazer o seu melhor e lembrar que a criança já sofre uma ruptura por não conviver com o pai. O filho não tem culpa de o relacionamento não ter dado certo".

Quantidade não é qualidade: Independentemente do tempo que for destinar à criança, faça com dedicação. "A criança precisa ser alimentada fisicamente e emocionalmente com o amor de mãe, principalmente se o pai não for presente. Seu filho precisa de atenção, mas não se sinta sugada. Mesmo que o tempo seja menor, se esforce, supere limites, faça seu melhor", aconselha Dra. Sueli.

Não impeça seu filho de se relacionar com o pai: Pense que o contato é importante do ponto de vista emocional. A figura paterna pode ajudar a fortalecer a identidade, principalmente dos meninos, e fazer a diferença na segurança e equilíbrio da criação. "Quanto menos hostilidade e pirraça, melhor para a criança", lembra Dra. Sueli.

Não use chantagem para conseguir apoio financeiro: Conseguir dinheiro a qualquer custo não vale à pena, principalmente se pai e mãe não convivem civilizadamente. "Nunca usei minhas filhas ou fiz algum tipo de jogo com os pais delas para conseguir mesada, pensão ou qualquer outra coisa. Deixei-os livre para se aproximarem, eu preferia que dessem amor a elas, não dinheiro. No meu caso, tive condições de assumir, mas, sendo sensata, a parte financeira é bem complicada. Se possível, os dois precisam entrar em acordo pelo bem dos filhos. Mas se você tem como viver humildemente sem a ajuda deles, vá em frente. Para ficar junto, precisa ter amor", relata Elenice.

Não viva para se arrepender: Deixe de lamentar relações frustradas. "Não sou do tipo doméstica, mãezona, mas minha maneira foi apostar na educação. Sou professora, acho isso fundamental. Se o pai não ajuda, a mãe vende até o carro se for para investir em seu filho", acredita Elenice."Quando a mulher engravida muda totalmente sua visão. É uma vocação e esse sentimento ela tem que agarrar e se conscientizar de que sua vida vai mudar. Não podemos largar para nossas mães criarem. Enfrente tudo em prol de seu filho", aconselha a bancária Linara, mãe de Pedro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário